Ano A- Dia 12/02/2014 - Cor: Verde

Quarta-Feira da 5ª. Semana do Tempo Comum

Primeira Leitura

A rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão

Leitura do Primeiro Livro dos Reis                      10,1-10

Naqueles dias, 1 a rainha de Sabá, tendo ouvido falar - para a glória do Senhor - da fama de Salomão, veio prová-lo com enigmas. 2 Chegou a Jerusalém com numerosa comitiva, com camelos carregados de aromas, e enorme quantidade de ouro e pedras preciosas. Apresentou-se ao rei Salomão e expôs-lhe tudo o que tinha em seu pensamento. 3 Salomão soube responder a todas as suas perguntas: para ele nada houve tão obscuro que não pudesse esclarecer. 4 Quando a rainha de Sabá viu toda a sabedoria de Salomão, a casa que tinha construído, 5 os manjares da sua mesa, os cortesãos sentados em ordem à mesa, as diversas classes dos que o serviam e suas vestes, os copeiros, os holocaustos que ele oferecia no templo do Senhor, ficou pasmada e disse ao rei: 6 "Realmente era verdade o que eu ouvi no meu país a respeito de tuas palavras e de tua sabedoria! 7 Eu não queria acreditar no que diziam, até que vim e vi com os meus próprios olhos, e reconheci que não me tinham dito nem a metade. Tua sabedoria e tua riqueza são muito maiores do que a fama que chegara aos meus ouvidos. 8 Feliz a tua gente, felizes os teus servos que gozam sempre a tua presença e que ouvem a tua sabedoria! 9 Bendito seja o Senhor, teu Deus a quem agradaste, que te colocou sobre o trono de Israel, porque o Senhor amou Israel para sempre, e te constituiu rei para governares com justiça e equidade". 10 Depois, ela deu ao rei cento e vinte talentos de ouro e grande quantidade de aromas e pedras preciosas. Nunca mais foi trazida tanta quantidade de aromas como a que a rainha de Sabá deu ao rei Salomão.  Palavra do Senhor! - Graças à Deus!

---------------------------------------------------------------

Comentário

Relações diplomáticas dispendiosas

A visita da rainha de Sabá é um exemplo das relações diplomáticas mantidas por Salomão com os reinos vizinhos. O que mais chama a atenção nessas relações é, de um lado, a superficialidade (brincadeiras e advinhação) e, de outro, o gasto com o luxo despendido nessas visitas (grande comitiva, presentes caros, banquetes). A glória e sabedoria de Salomão, em todo o seu esplendor, são reconhecidas por uma rainha estrangeira, da mesma forma como um dia Cristo será visitado e honrado por reis pagãos. São encontros e diálogos que o Concílio deseja que se realizem ainda hoje. A Igreja é convidada a olhar com atenção as grandes religiões e a integrar sabedoria humana e fé, com uma atitude essencialmente positiva com relação aos valores humanos. Por certo uma escolha se impõe, como também uma purificação, integração e aprofundamento destes valores. O cristão é chamado a trabalhar pela difusão de uma cultura integral, hoje tanto mais difícil quanto mais necessária, e para realizar um entrosamento entre cultura humana e ensino cristão, de modo a alcançar e difundir a verdadeira sabedoria. “A natureza intelectual da pessoa humana atinge a perfeição. Como é seu dever, mediante a sabedoria, a qual, com suavidade, leva a mente a procurar e amar a verdade e o bem, e, quando o homem já está impregnado deles, o conduz do visível para o invisível”

---------------------------------------------------------------

Salmo Responsorial        Sl 36(37),5-6.30-31.39-40      (R. 30a)

R. O justo tem nos lábios o que é sábio.

5 Deixa aos cuidados do Senhor o teu destino; confia nele, e com certeza ele agirá. 6 Fará brilhar tua inocência como a luz, e o teu direito, como o sol do meio dia. (R)

30 O justo tem nos lábios o que é sábio, sua língua tem palavras de justiça; 31 traz a Aliança do seu Deus no coração, e seus passos não vacilam no caminho.     (R)

39 A salvação dos piedosos vem de Deus; ele os protege nos momentos de aflição. 40 O Senhor lhes dá ajuda e os liberta, defende-os e protege-os contra os ímpios, e os guarda porque nele confiaram. (R)

---------------------------------------------------------------

Comentário

A esperança depende da perseverança

Reflexão sapiencial sobre o destino dos justos e injustos: os justos possuirão a terra e os injustos serão excluídos dela

O sustentáculo do justo é a persistência no compromisso com Deus e com o seu projeto, que excluirá os injustos e fará que os pobres possuam a terra (cf. Mt 5,5). O injusto persegue e oprime o justo. Deus toma o partido deste e faz que o mal se volte contra o próprio injusto. O injusto é governado pela ambição de possuir, explorando todo mundo. O justo, ao invés, é guiado pela solidariedade, repartindo tudo o que tem. O maior desafio é persistir na prática da justiça. O justo é capaz de viver a sabedoria e a justiça, porque sua consciência (coração) é formada segundo o projeto de Deus. Desse modo, os justos se tornam agentes de um processo social que se contrapõe à ideologia e política do injusto. Os versículos 39-40 nos mostra que: enquanto os injustos dominam, os justos vivem no aperto. Mas, a esperança de uma nova história, porém, nasce da perseverança dos justos, porque Deus é seu aliado.

---------------------------------------------------------------

Aclamação ao Evangelho                           Cf.  Jo 17,17ba

R. Aleluia, Aleluia, Aleluia.

V. Vossa palavra é a verdade; santificai-nos na verdade!    (R)

---------------------------------------------------------------

Evangelho

O que torna impuro o homem é o que sai do seu interior

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos     7,14-23

Naquele tempo, 14 Jesus chamou a multidão para perto de si e disse: "Escutai todos e compreendei: 15 O que torna impuro o homem não é o que entra nele vindo de fora, mas o que sai do seu interior. 16 Quem tem ouvidos para ouvir, ouça". 17 Quando Jesus entrou em casa, longe da multidão, os discípulos lhe perguntaram sobre essa parábola. 18 Jesus lhes disse: "Será que nem vós compreendeis? Não entendeis que nada do que vem de fora e entra numa pessoa, pode torná-la impura, 19 porque não entra em seu coração, mas em seu estômago e vai para a fossa?" Assim Jesus declarava que todos os alimentos eram puros. 20 Ele disse: "O que sai do homem, isso é que o torna impuro. 21 Pois é de dentro do coração humano que saem as más intenções, imoralidades, roubos, assassínios, 22 adultérios, ambições desmedidas, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho, falta de juízo. 23 Todas estas coisas más saem de dentro, e são elas que tornam impuro o homem". Palavra da Salvação! - Glória a Vós, Senhor!

---------------------------------------------------------------

Comentário

O que pode contaminar

O que vem de fora não torna o homem pecador, e sim o que sai do coração, isto é, da consciência humana, que cria os projetos e dá uma direção às coisas. Jesus anuncia uma nova forma de moralidade, onde os homens podem relacionar-se entre si na liberdade e na justiça. Com isso, aboliu a lei sobre a pureza e impureza (Lv 11), cuja interpretação era o fundamento de uma sociedade injusta, baseada em tabus que criavam e solidificavam diferenças entre as pessoas, gerando privilegiados e marginalizados, opressores e oprimidos. O processo de contaminação pela impureza era muito mais sério do que os escribas e fariseus poderiam imaginar. Eles temiam tornar-se impuros pelo contato físico com coisas e pessoas. Este pensamento equivocado impedia-os de perceber os verdadeiros agentes de contaminação. Jesus apontou para elementos contaminadores radicados no mais intimo do coração humano, dos quais não é fácil se precaver. Dai provém as impurezas que incapacitam o ser humano para um relacionamento adequado com Deus. É relativamente fácil segregar-se das coisas e pessoas tidas como transmissoras de impureza. Pelo contrário, é extremamente difícil manter a devida distância do que sai de dentro da pessoa e tem o poder de contaminar. Vigilância e discernimento são duas atitudes imprescindíveis. Sem elas, a hipocrisia apodera-se da ação humana. Não raro, a pessoa fiel às regras de purificação acaba sendo a mesma que nutre maus pensamentos contra o próximo. O discípulo do Reino previne-se contra esta falta de autenticidade. Dele se exige, em primeiro lugar, a purificação das motivações de sua ação. Seu agir deve brotar de um coração puro, sem dolo nem má-fé e buscar unicamente o bem do próximo. Esta é a pureza requerida por Deus. A outra reduz-se a mera questão de higiene, sem a menor relevância. O choque se dá entre o dualismo, "sagrado" e "profano", criado pelas religiões, e muito presente na tradição do judaísmo. O mundo não se divide em duas zonas, uma, sagrada, onde se encontra tudo que goza do favor de Deus, e outra, profana, da qual Deus está ausente. Jesus vem armar a bondade fundamental da criação e o amor universal de Deus. Não é o espaço exterior que define a presença de Deus, mas sim nossas ações. Onde há o amor, Deus aí está.

---------------------------------------------------------------

Oração

Pai, cria, no meu coração, a pureza verdadeira que me permite estar na tua presença, seguro de que minha vida te agrada.

---------------------------------------------------------------